Por que é obrigação de todo Católico, evangelizar todos que estão ao seu redor?


É muito comum ouvirmos as pessoas dizerem:”Não estou aqui para converter ninguém”. Ou ainda: “Eu tenho a minha fé e ele a dele. Não quero que se intrometam com a minha vida como eu não me intrometo na dele. Cada um na sua.” Quem assim pensa, das duas, uma: ou não tem tanta fé naquilo em que crê, ou não tem tanto amor àquele que necessita de conversão ou correção.

É muito comum ouvirmos as pessoas dizerem:”Não estou aqui para converter ninguém”.

 Ou ainda: “Eu tenho a minha fé e ele a dele. Não quero que se intrometam com a minha vida como eu não me intrometo na dele. Cada um na sua.”

Quem assim pensa, das duas, uma: ou não tem tanta fé naquilo em que crê, ou não tem tanto amor àquele que necessita de conversão ou correção.

Quem encontra a Pedra Preciosa não fica indiferente diante do irmão que só encontra rudes pedras pelo caminho. Se a Pedra que encontrou é de fato Preciosa e ele realmente ama seu irmão, é óbvio que irá querer que seu irmão compartilhe da sua alegria e da Preciosa Pedra que encontrou.

Mas se é indiferente ao próximo, não irá se importar que seu irmão encontre apenas rudes pedras pelo caminho. Ou então, se ele não está tão certo de que a pedra que encontrou é, de fato, Preciosa, também não tem motivos para importunar seu irmão, ainda que muito o ame.

Saibamos que “buscar a conversão do irmão” não é um ato orgulhoso de quem se acha melhor que os outros, nem pode ser feito como querendo impor algo ao próximo.

“Buscar a conversão do irmão” é um ato espontâneo e natural de amor ao próximo feito com constância por aquele que encontrou a Pedra Preciosa e realmente ama o próximo.

Por isso o ideal CRISTÃO CATÓLICO é ser evangelizador.

Ser evangelizador não é julgar-se com espiritualidade superior a de ninguém. O evangelizador é também pecador e precisa de Jesus para se salvar. Se alguma virtude pode ter, recebeu de Deus. Ele, por si mesmo, não é capaz de nada, sequer, de existir.

Em tudo precisa de Deus. Se alguma graça o Senhor lhe concede, seja agradecido, e saiba que a qualquer momento pode ser retirada, pois não lhe pertence:

“Deus deu, Deus tirou, bendito seja o nome do Senhor” (Jó 1,21).

Embora pecador como todo ser humano, aquele que encontrou a Pedra Preciosa conhece o certo e o errado, conhece Jesus e conhece o Amor de Deus.Por isso, sente-se na obrigação de corrigir o próximo (com amor, respeito e mansidão) quando o vê no pecado ou acreditando na mentira, da mesma forma que procura corrigir seus próprios defeitos. 

Se o próximo vai acolher ou não a correção que tu lhe apresenta, não te pertubes.

Se não aceitar, continue a rezar por ele e não perca as oportunidades de corrigi-lo.

Mas jamais use de chantagem ou violência, nem mesmo tente, de alguma maneira, obrigá-lo à correção ou à conversão.

Basta ao evangelizador cumprir sua missão de evangelizar com ardor, perseverança, muito amor e fé convicta.

“Proclama a Palavra, insiste oportuna e importunamente, argumenta, repreende, aconselha com toda a paciência e empenho de instruir.” (2Tm 4,2)

 

 

Os 3 Personagens da Evangelização

Na evangelização há 3 personagens: O Evangelizador, o Evangelizando e o Espírito Santo. Cada um com seu papel bem claro e definido, que não deve ser suplantado pelo outro.O Evangelizando

 

Escuta e Responde a Deus

Seu papel é escutar a Palavra anunciada pelo evangelizador

Ele, e somente ele, dá uma resposta à Palavra proclamada, com uma atitude tanto interior, quanto exterior

Ele se confessa pecador e pede perdão de seus pecados

Proclama Jesus como Senhor de sua vida

Pede a Jesus Messias o Espírito Santo e o recebe

Não lhe compete:

Discutir com o evangelizador. Porém, é legítimo que faça perguntas e tire dúvidas

Dar, mas apenas receber

Justificar-se: “eu não faço nada de mal”, nem condenar-se: “eu não tenho perdão”

O Espírito Santo

Convence e Converte

A proclamação e o testemunho do evangelizador são instrumentos necessários, mas apenas instrumentos, já que o agente principal da evangelização é o Espírito Santo. Ele atua tanto no evangelizador quanto no evangelizando.

Atuação do Espírito Santo no evangelizador:

Dá-lhe zelo pelo Evangelho

Unge-o e usa-o como canal de sua obra

Enche-o de poder e amor

Atuação do Espírito Santo no evangelizando:

Usando as palavras e atitudes do evangelizador como veículo de sua obra salvífica, o Espírito Santo é quem realiza com eficácia a obra da evangelização, infundindo a fé, para convencê-lo de que é pecador necessitado de salvação e, em consequencia, que proclame Jesus como Salvador e Senhor.

O Evangelizador

Proclama e Testemunha

Proclama Jesus, uma Pessoa Viva e seus atos de Salvação

Anuncia jubilosamente a Boa Nova: Já fomos salvos

Apresenta Jesus Salvador como a única solução para cada homem, para a sociedade e para o mundo inteiro

Há 4 condições necessárias para se poder ser um evangelizador e, posteriormente, um formador de evangelizadores:Ter experiência de salvação

A primeira experiência de todo evangelizador é ter tido uma experiência pessoal de salvação. Não basta saber muita doutrina, ser diplomado em teologia ou ter título ou função na Igreja. É necessário “ter nascido de novo”, como exigia Jesus do sábio Nicodemos (Jo 3,3).

 

O evangelizador não é um mestre, mas sim uma testemunha: proclama Jesus Salvador e dá testemunho do que viu e ouviu. Não só sabe que Deus é Amor: Ele teve a experiência pessoal de ser amado incondicionalmente. Já teve seu encontro pessoal com Jesus e o proclamou seu Salvador pessoal e Senhor de toda sua vida.

O Espírito Santo o marcou com um selo indelével. Se proclama que Jesus salva, é porque antes ele já viveu essa salvação na própria carne.

Ter zelo pelo evangelho

O zelo pelo Evangelho é um desejo intenso de que Cristo Jesus seja conhecido, amado e servido por todos os homens e, ao mesmo tempo, é um compromisso com o homem para que seja mais digno, mais livre, mais homem.

O zelo pelo Evangelho é um fogo implacável no coração, que não se deixa extinguir e que procura incendiar a todos. É uma espada afiada que não se detém diante de nenhuma dificuldade, até deixar semeada a semente da Palavra de Deus no mundo.

É boca de profeta que não cala por respeitos humanos, estruturas asfixiantes ou medo disfarçado de prudência.

“Calçados com o zelo pelo Evangelho” (Ef 6,15), seu único acompanhante é o bastão, como o de Moisés, para mostrar que, com o poder de Deus, é possível atravessar o Mar Vermelho das dificuldades e dos problemas.

Esse zelo deve converter-se em paixão, que coloca o trabalho evangelizador acima de qualquer outra coisa na vida.

E mais:

É necessário a obsessão de que o que importa na vida é anunciar a pessoa, a vida e os ensinamentos de Jesus, assim como instaurar seu Reino de justiça, gozo e paz neste mundo.Paulo estava cheio desse zelo quando exclamava: “ai de mim senão evangelizar“, por isso, era capaz de superar todas as adversidades que nos conta em 2Cor 11,23-29.

 

A mensagem não é uma camisa-de-força que se impõe, e sim uma opção que propõe a homens livres, inseridos numa cultura, para que com sua vontade tomem a decisão de viver o Evangelho, implantando os valores do Reino em sua realidade histórica.

As estruturas sócio-políticas e culturais são o terreno onde se semeia a palavra. Nesse marco concreto, o Evangelho se encarna para transformar as situações de pecado. Aculturar o Evangelho é o grande desafio dos evangelizadores, sob pena de permanecer no superficial ou no sentimental.

O estilo de vida do evangelizador determina a mensagem que transmite, seja porque adquire alta reputação, seja porque se desprestigia. O evangelizador não é um frio transmissor de uma propaganda, mas ele encarna a mensagem, convertendo-se ele próprio, com seu estilo de vida, em parte da mensagem.

Isso exige que ele creia profundamente naquilo que prega e que viva de acordo com o que crê. O evangelizador não é um simples propagandista. Ele vive de acordo com a mensagem que transmite. Se não existe congruência entre a vida e a mensagem, ela desvirtua-se e é mal interpretada, pois não é possível esperar que os outros creiam naquilo que o evangelizador não professa.

Paulo, porque vive o que prega, atreve-se a dizer:

Sejam meus imitadores como eu mesmo o sou de Cristo.

A Igreja recebeu de Jesus a missão de evangelizar. E todos nós cristãos, somos responsáveispela realização dessa tarefa.

A evangelização vai ao encontro de todos, por isso é importante que a catequese conheça a realidade, o contexto de nossos dia, onde a Palavra de Deus quer chegar, permanecer e produzir frutos. Tomar consciência da realidade é conhecer a terra em que as sementes serão lançadas e os desafios a ser enfrentados.

Entre os vários desafios, encontra-se a evangelização dos católicos não participantes, pessoas que receberam o batismo, mas que têm pouco contato com a vida da Igreja. Isso não significa que sejam pessoas más ou distantes de Deus! São apenas pessoas que não descobriram o valor da participação comunitária para seu crescimento na fé e na vida. Também elas precisam de nova evangelização. O que fazer para ajudar?

As Diretrizes Gerais da Ação evbangelizadora da Igreja no Brasil apresentam as seguintes orientações:

ter atenção e respeito para com a religiosidade popular (devoções a Maria, aos santos, romarias…);

promover ou fortalecer as manifestações religiosas de massa;

tratar bem os católicos não praticantes, quando estes procuram sacramentos;

tomar consciência dos motivos que os afastam da vida da Igreja;

valorizar o contato pessoal com os outros, as visitas às famílias e a acolhida aos migrantes;

buscar novos métodos, adequados para a realidade urbana e para a mentalidade moderna, principalmente com os jovens.

Somos chamados a nos tornar próximos uns dos outros e não a ficar de braços cruzados. Precisamos testemunhar a alegria de ser cristãos e partilhá-la com os que estão afastados, ser mais acolhedores, capazes de diálogo e serviço.

A catequese é o lugar onde essas atitudes podem ser ensinadas e vividas. A vida de oração nos ajudará a ir ao encontro de Deus e dos irmãos.

Fonte: https://afeexplicada.wordpress.com/2011/06/01/evangelizar-e-obrigacao-do-cristao-catolico/

 

Você é um Católico Raimundo? Pois desça do muro.

Um casal de jovens participantes da Igreja Católica passou um tempo de conhecimento para um possível namoro. Aconteceu que depois de alguns meses a moça desi...

O que é um Católico Jujuba?

Aprenda de uma vez por toda o que é um Católico Jujuba....

Eu sou um Católico Quente, Morno ou Frio?

No livro do Apocalipse Capítulo 3, versículo 13 encontramos a seguinte mensagem que São João escreveu para uma comunidade: \\\"Assim, porque és morno e n...

Que tipo de Católico você é?

Você se identifica com algum?...

Você é um pagão batizado, mais conhecido como um Católico não praticante?

Você não pode ser o que não pratica. A imagem quer dizer que não existe católico praticante ou não praticante, ou seja, nao existe rótulos, ou você é s...

Veja os 12 passos para ser um Católico Verdadeiro

Há uma crise católica em andamento e nós podemos superá-la; Está acontecendo uma “crise católica”: um grande número de batizados católicos deixou a...

A Igreja Católica está perdendo seus Fiéis?

O bordão já está se tornando chato: “é por isso que a Igreja Católica está perdendo seus fiéis…”....

Católico: você nunca vai deixar de ser atacado. É pegar ou largar.

Entenda: o mundo simplesmente não vai aplaudir você por ser católico - muito, muito pelo contrário....

Qual a diferença entre o Católico e o Falso Católico?

O Católico diz: Se a Igreja ensina assim, então eu vou obedecer!O Falso Católico diz: Eu sou \"católico\", mas... O Católico diz: O meu senhor renunciou a ...

Por que não se pode ser mais ou menos Católico?

Não se pode ser “mais ou menos católico”, isto é, aceitar uma ou outra verdade religiosa ensinada pela Igreja, deixando algumas de lado. Isso é orgulho...